terça-feira, 26 de abril de 2011

Nasci de novo


Por anos eu vinha me sentindo deslocada desse mundo, eu buscava viver o que talvez eu achasse que me faria melhor, tentava me enquadrar de alguma maneira nos preceitos em que a maioria das pessoas vive hoje em dia. No fundo, no fundo eu sabia que era em vão essa busca pela conciliação do que eu tinha dentro de mim e do que eu tinha que tentar viver nesse mundão afora. Por vezes eu dizia aos quatro ventos que não me sentia bem nessa sociedade, nos padrões de vida, nas regras que se fundiram na cabeça de todos e simplesmente cumprem sem saber por que, relacionamentos moldados na desilusão, uma busca incessante pela tal felicidade e satisfação no outro que nunca parecia existir. Quanto mais se esperava por alguém que seria forma de amor para finalmente dar razão à vida, mais frustrante ficava a caminhada. Sempre tive em mente de que felicidade é um estado em que todos podem se encontrar, mas eu ainda não sabia qual era a formula para tal fim. Eu já estava cansada de saber que jogar carga emocional em cima de outra pessoa e ficar dependente de alguém para que alguma vitória ou melhoria na vida se achegasse, era inútil. Durante 21 anos e alguns meses de vida eu participei de um mundo e seus mais misteriosos padrões me sentindo sempre na posição de intrusa, um peixe fora d’água. Uma esperança fazia cosquinha no meu coração e me dizia que em algum lugar ainda existia pessoas como eu, que pensassem como eu, que se sentissem como eu, que ainda poderiam amar como eu e jamais se deixariam deslumbrar por luxúrias e tropeços que ferem e muitas das vezes nunca cicatrizam. Uma semente de expectativa ainda estava guardada dentro de mim, nem eu mesma sabia como nem por que, mas ainda conseguia sonhar com pedacinhos do céu, com pessoas apenas de valores e sentimentos humanitários, verdadeiros, bons. Cansei de ser chamada de criança, de mimada, de maluca, pelo simples fato de ainda acreditar em coisas e pessoas que já não se encontra nesse mundo desgastado. O conto de fadas, a história de príncipes e princesas na qual eu ainda conseguia sonhar era o que dava razão para muitos zombarem, julgarem...
Estaria mentindo se dissesse que fui infeliz todos esses anos, porque não fui. Tive vislumbres de amor, de alegria, conheci pessoas raras e essas, guardo comigo até hoje. Tive muitos momentos especiais, marcantes, bons, momentos de diversão, momentos de companheirismo, de paixões, de brilho nos olhos, de arrepios gostosos por apenas ouvir uma boa música... Mas tudo que tive até então, hoje se parece quase um nada. Não é desmerecer, é apenas encarar a realidade, de que mesmo tendo muito, eu tinha pouco. Se amei, sofri. Se apaixonei, desiludi. Se sorri, chorei. Se esperei, perdi. Não havia continuidade, não havia reciprocidade, não havia totalidade. Eram momentos seguidos de frustrações, afinal, nada era suficiente, sempre restava sentimento de espera por algo a mais. Até mesmo o muito se destruía diante de alguma surpresa desagradável, até a maior das alegrias poderia se tornar em vão. Não havia garantias, não havia resistência, estabilidade. (“Porque nós não prestamos atenção nas coisas que se vêem, mas nas que não se vêem. Pois o que pode ser visto dura apenas um pouco, mas o que não pode ser visto dura para sempre." 2 Coríntios 4: 18) Durante uma determinada época eu comecei a me sentir rodeada por pessoas que conseguiam me dar certo conforto e paz, simplesmente porque me apresentaram muito do que eu pouco conhecia, Deus! Eu sentia que ele me chamava, me convidava, me daria respostas. Muitas eram as minhas dúvidas, fossem elas pelo mundo, pela vida, pelo amor, pela morte ou pelos ensinamentos de Deus. Minha curiosidade ia crescendo e mesmo sozinha comecei a ler a bíblia, a buscar por entendimentos, por consolos. Surpreendi-me com tamanha compreensão e atualidade que encontrei ali. Esperava talvez por histórias antigas, por acontecimentos distantes com esse mundo atual, mas me enganei, e fico feliz por esse engano, afinal a surpresa me deixou com mais vontade, mais sede de paz de Deus. Tudo já estava preparado pra mim, tudo já estava sendo trabalhado em mim. Deus trabalha em seu tempo que é diferente do nosso, o meu chamado foi ficando cada dia mais convincente, mais próximo. Dores, problemas, tempestades, se fizeram necessárias para que enfim eu me rendesse ao que eu sempre havia acreditado, mas até então não havia buscado.
Por família, por amigas, com família e com amigas, eu presenciei Deus agindo em mim, em meu coração, em meus passos para o futuro. Pela dor, pelo amor e até pelo susto, eu terminei minha conclusão de que eu nunca fui desse mundo mesmo não. Entreguei minha vida a Jesus e enfim nasci de novo. Quando meus olhos se abriram em minha nova vida eu sabia, eu sentia, tudo havia mudado, tudo parecia novo, assustador de início talvez, um mundo todinho novo pra que eu possa conhecer, o mundo espiritual. É como um primo me disse um dia, se parece com o guarda-roupa de Crônicas de Nárnia, depois que se abre e se conhece tudo aquilo não há mais chances de olhar pro mundo do homem e simplesmente negar o outro lado, negar a influência do outro mundo neste aqui. A cabeça até se confunde um pouco, mas nada que o coração alimentado do Espírito Santo não possa convencer. A percepção de tudo que se vivia muda, à vontade pelo que se tinha antes passa a nem existir mais, as pessoas em volta parecem mais frágeis e incontrolavelmente nasce um louco desejo de fazer todos nascerem de novo, assim como eu. Bate revolta diante de todos que simplesmente preferem ignorar os fatos de Deus e as artimanhas do inimigo para ganhar almas. Mas a descoberta mais importante? É de que Deus faz maravilhas, tudo vindo dele é encanto, fascinação, vitórias, felicidades que não se destroem, sorrisos que não se acabam, é quase como se papai Noel existisse ou Terra do nunca sempre tivesse sido real. ("A fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não podemos ver." Hebreus 11: 1) O mundo espiritual é vasto, as lendas que percorrem infelizmente não são lendas, são reais, uma realidade surreal, mas extraordinariamente está entre todos, entre a vida de todos (“É pela fé que entendemos que o Universo foi criado pela palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi feito daquilo que não se vê.” Hebreus 11: 3), cabe a cada um fazer a escolha mais importante de toda sua vida, continuar fingindo e desacreditando e assim sendo arrastado pelo mau mesmo sem saber, ou motivar sua própria fé em Deus, se entregar, se render, aceitar Jesus, sentir as magnitudes do Espírito Santo adentrando em si mesmo.
Deus é APENAS vitórias, acredite, tudo que de mais belo e bom que se possa sentir por aí é apenas uma amostra do que Deus tem pra sua vida. Deus é o único que pode dar plenitude!!!

Um comentário:

jéssica disse...

aqui a melhor coisa nesse mundo é nascer de novo.jesus não há comparação,és belo.que DEUS continue lhe dando inspiração ,porque é por meio de vc que muitas vidas verão a jeus.vc é um canal de DEUS flor,parabens,continue cm esse amor.jesus te amamos porque fomos nascidos de novo .amém