segunda-feira, 26 de abril de 2010

A maior dor

Não tenho com quem compartilhar essa dor. Simplesmente por ser a minha maior dor. Não me lembro a última vez que chorei, não estava me permitindo soltar lágrimas por ninguém, não de tristeza, eu escolhi sorrir e meus olhos só se pronunciariam com lágrimas se fossem de felicidade.
Hoje decidi não lutar nem negar, segui minha lei, sinceridade com as emoções. Aceitei a angústia que tomou conta de todos os pontos do meu corpo, aceitei os pensamentos que voaram direto pra você.
Lembro-me do dia em que te dei Adeus. Escolha minha, eu tive certeza e ainda tenho, eu fiz o certo. Os motivos que me fizeram tomar aquela decisão é que nunca foram certos. Insuportável ter a sensação de que aquele fim, não foi realmente o fim. Histórias que escolhemos não mais viver devido a erros, problemas, confusões, parecem sempre voltar, como se pedissem para ter um final, feliz ou não, mas um final decente, um final com ponto final, não com uma vírgula que só serve para anteceder o que não se pode resolver imediatamente.
Naquela noite eu fiz o que tinha que fazer. Optei por mim, ainda estou optando por mim e aprendi a sempre optar por mim antes de tudo e todos. Não abrirei mão dessa condição. Lutei por nós até onde pude, mas não se ganha uma guerra sozinha. Decidi renegar ao que mais pensei que amava, ao que eu mais achava que era necessário. Abri mão de você, pra me receber de volta. Aqui estou, novamente completa, livre, bastando-me, permitindo-me. Por isso hoje eu me permiti viver você como não vivia desde aquela última noite. O que eu não sabia era que iria descobrir o quanto dói sentir que espero sua volta.
Por mais errado que seja, por pior que pareça aos olhos curiosos, ainda sim me parece certo.
Perdi as palavras, perdi o sussego. Esqueci-me como sou boa em me expressar. Tudo porque me deixei ser levada e lavada pelas lágrimas. Última vez em que chorei foi ao te deixar ir, na despedida, depois nunca mais me lembro de ter parado sequer pra pensar em algo parecido.
Eis que aqui estou. Entregue ao momento, entregue a essas palavras que tentam cuspir por mim um pouco da dor. Essa dor tão mais dolorosa do que parecia ser. É por saber que ela existe que percebi que não tenho com quem contar. Amigas não saberiam entender, por mais silêncio que façam, eu saberia que a mente de cada uma delas iria borbulhar mensagens contra mim, a falta de experiência próxima ao que passei não permiti que elas possam distinguir o que seria passar por algo assim. Minha família... Primas, tias... Tão pouco teriam paciência. Para elas parece mais fácil dizer que o que dói não faz sentido, é errado e dessa forma concretizam que a culpa é minha e só minha por cultivar pensamentos sobre você. E minha mãe? Ela que é minha melhor amiga, meu espelho. Já tirei tanto o sono dela por esses meus momentos e sofrimentos. Algumas vezes eu simplesmente não sabia, ela deixava de dormir pra chorar a minha dor, outras vezes, eu mesma a acordei pra ficar me ouvindo, tentando ao menos me acalmar, me fazendo acreditar que tudo é menos ruim do que parece. Mas hoje não dá pra contar com ela também. Noites mal dormidas, choros de preocupação, também deixam qualquer um estressado. E o pior... Ela pensa que por me ver sorrir, eu não tenho mais tristezas. Se ela soubesse da real verdade que eu já sei que ela desconfia que existe dentro do meu coração, ela iria me pré-julgar. Consigo imaginar o tom da voz, e a forma como ela perguntaria o porquê de tudo ter mudado, o porquê eu voltei a pensar em quem não deveria. Sei até que ela seria capaz de me chingar, bancaria a insensível, fingiria mau humor e me diria pra simplesmente esquecer. Ou seja, voltei à estaca zero, afinal, o que mais ouço em relação a tudo isto é realmente essa palavra: esquecer.
Esquecer não é solução, nunca foi e que sirva de aviso pra quem ainda tenta. Esquecer simplesmente serve como válvula de escape pra quem consegue manter a mente ocupada. Esquecer é pular de galho em galho. Esquecer é evitar pensar, evitar crescer. Esquecer é o inimigo da maturidade. Esquecer impede soluções. Esquecer não faz ninguém superar.
Aprendi isso e não largo mais. Necessito de outra forma de ajuda. As palavras me aliviam, me sugam um pouco da carga pesada, mas a grande massa, o miolo, vai continuar dentro de mim.
Fico imaginando como seria a volta, como seria talvez te receber de novo.
Confesso que sinto falta do seu abraço, do seu colo que me acolhia. Eu não suportaria ganhar esse carinho de novo sem demonstrar que isso me abalaria.
Mas é o que eu mais gostaria de receber agora.
Parece loucura, e é mesmo. Mas eu gosto assim, prefiro tentar, prefiro arriscar invés de largar pra lá e fingir que consigo seguir em frente quando na verdade mesmo sem perceber tem sempre algo me puxando, me prendendo no passado, me fazendo esperar, me fazendo viver sem estar 100% preparada pra atingir meu futuro sem você.
Não te aceitaria se ainda soubesse que tudo o que larguei ainda habita você.
Mas também não consigo lidar com o fato de te perder para uma mentira em que você insiste em levar adiante apenas pra conseguir provar a mim ou quem quer queira ver que você é capaz de seguir em frente.
Só se lembre, por favor, de acabar com a farsa em algum momento, mesmo que demore, mas termine com ela antes tarde do que nunca, pro seu bem.
Foi você quem me ensinou que amor é um só para toda a vida. Acredito em vários amores, mas se o seu é o meu maior e sempre será, então não deixe que ele se vá, não o esconda por baixo de mentiras e orgulhos.
Da mesma maneira em que sei perdoar até mesmo o que não deveria, eu sei que você sabe se libertar.
Demore, mas venha. Mesmo que não signifique nada, mas ainda assim, volte.
Eu preciso do seu abraço. Ele é o único em que sempre me tirou do mundo e me salvou de tudo que parecia impossível. Seus braços, seu calor, seu colo, toda aquela forma de me carregar, de me preencher, de me fazer sentir protegida, só você sabe fazer isso. O seu abraço é o único que sempre precisei e nunca posso ter quando mais necessito.
Me ajuda... E assim poderei te ajudar. Nem que seja apenas para percebermos que o que era de verdade se apagou com o tempo, mas ainda assim precisamos descobrir juntos, e não fugindo um do outro como se à distância e a amargura de nossos corações separados pudessem solucionar o fim que foi mal resolvido pelos seus próprios erros. Erros estes que você comete justamente porque sempre escolhe esquecer invés de aprender e superar.
Tá na hora de crescer! Tá na hora de voltar!

2 comentários:

Marina disse...

Querida, sei q parece nunca passar, mas ainda é pouco tempo p tudo retornar.Acha q ñ sei q seu coração anda vagando, mas q tem endereço certo? Só quero q saiba q na vida nunca parece ser do jeito q queremos, mas o é, basta ter paciencia, q um dia verás o q sonhas chegar. Do seu lado caminho sempre, só ñ posso caminhar c seu choro p ñ te deixar pior, tenho q amparar e te deixar seguir, mas c certeza o seu desejo , abraçarei. Te Amo.

Simplesmente Outono disse...

Você expressou de forma linda e sublime o que vivo, porém faço toda questão de manter minha decisão até o fim.
Não posso permitir que minha felicidade seja embasada no sofrimento de outras pessoas.
Consegui arduamente me acostumar que se é assim é porque tem que ser. Convivo com o meu sofrimento sem causar o de mais ninguém.
Salvei o teu texto para ler mais algumas dezenas de vezes.
Acredito que eu não saberia expor tal situação na exata medida com que o fez.
Obrigada.
Com carinho.
Simplesmente Outono.